Entre com seu E-Mail:

Cadastre seu E-mail e receba gratuitamente as últimas notícias Contábeis e Jurídicas do ContJus - FeedBurner

sábado, 16 de agosto de 2014

Pacientes com câncer enfrentam dificuldades por não conhecerem seus direitos

Qualquer um, ao receber um diagnostico para câncer, vê sua vida virar de "pernas para o ar", e não é para menos, afinal, não se trata de um resfriado.
Contudo, é importantíssimo que nessa hora de fragilidade, o paciente mantenha os olhos bem abertos para não compor "massa de manobra" de entidades e grupos que só pretendem lucrar com o disfarce da caridade e auxílio aos pacientes.
Se o tratamento já é árduo, uma prescrição médica para exame ou medicamento de alto custo, parece fazer com o que já é difícil se tornar quase impossível, e o paciente em desespero, acaba procurando e confiando em entidades que o orientam a processar o SUS (Estado) para obter o tal medicamento ou procedimento.
Se o paciente não tem plano de saúde, tudo bem, afinal, é sabido que o Estado deve prover assistência médica, nos termos da Constituição Federal etc.
Mas, se tem plano de saúde, por que fazê-lo ajuizar uma ação em que o medicamento demorará mais tempo para chegar? Por que expô-lo ao desgaste de ir todos os meses à fila da farmácia do Estado para retirar o medicamento, se o mesmo poderia ser entregue no hospital em que é feito o tratamento ou mesmo em casa?
Se você, caro leitor, tem plano de saúde e recebeu uma orientação do médico ou de alguém de entidades de "apoio ao paciente com câncer", para processar o Estado "porque o plano nunca dá esse remédio" ou, para processar o Estado porque o remédio não é autorizado no Brasil; saiba, possivelmente, sua condição foi ou será utilizada para proveito alheio.
Pense! 
Muitas entidades são patrocinadas por farmacêuticas que ganhariam muito caso o medicamento por elas fornecido fosse comprado em larga escala pelo Estado, por isso, para forçar o governo a regulamentar esses medicamentos, essas entidades orientam o paciente à processar o Estado, com isso abarrotam o judiciário de processos pela mesma droga e a Secretaria de Saúde de "liminares".
O problema disso é que processar o Estado é o meio mais demorado de receber o medicamento, tratamento ou procedimento, por isso, essa orientação manipula aqueles que não conhecem seus direitos.
De tantos processo contra o SUS, hoje, varias Secretarias de Saúde já tem um setor de liminares em que se formam "filas" para cumprimento das ordens judiciais.
Por óbvio, somos totalmente a favor da efetiva inclusão de tecnologias de ponta nas listas obrigatórias do SUS, mas não por meio de manipulação de pacientes e fazendo-os percorrer o caminho mais demorado para obter aquilo que precisam com urgência. 
Veja bem, muito embora no processo contra o Estado haja possibilidade de liminar, o medicamento demora para chegar à mão do usuário, afinal, pelo aparato burocrático e pela enorme fila de pessoas com liminar. O paciente percorre um longo caminho até que possa se dirigir mensalmente à farmácia do SUS e retirar a droga (que, às vezes, não é entregue), quando poderia por seu direito, receber sem filas no hospital em que faz tratamento e, se for o caso, em casa.
Dessa forma, o lamento de muitos dizendo que "os pacientes de planos de saúde tem enfrentado dificuldades para obter medicamentos" é fundado em seu completo desconhecimento dos direitos do paciente enquanto consumidor.
Assim, oriento o leitor que eventualmente precise de um medicamento, procedimento, exame ou tratamento, e que é assistido por plano de saúde, a processar a operadora e receber (mais rápido que aqueles que processam o Estado) a assistência que tanto precisa.
Importante abrir os olhos e deixar de repetir que o "ESTADO TEM OBRIGAÇÃO", para verificar que o PLANO DE SAÚDE TAMBÉM TEM OBRIGAÇÃO e que, processando o plano, seu medicamento chega mais rápido em suas mãos. 
Os pacientes oncológicos sabem muito bem a diferença entre receber o medicamento em alguns dias e recebe-lo em algum(s) meses.
Caso queira saber se o seu plano de saúde é obrigado a cobrir seu tratamento, veja nosso post sobre o tema: http://blogdireitomedico.blogspot.com.br/2014/05/como-saber-se-o-plano-de-saude-e.html
Se quiser saber um pouco mais entre a diferença prática (para o paciente) entre processar o Estado e o Plano de Saúde, veja nossa postagem em que tratamos acerca disso: http://blogdireitomedico.blogspot.com.br/2014/05/preciso-de-um-medicamento-devo.html
Essa é nossa opinião formada no dia a dia de luta pelo fim do descaso com os pacientes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares